terça-feira, 30 de abril de 2013

O ASSASSINATO DE INOCENTES ESTÁ AUTORIZADO...

Governo irlandês aceita ameaça de suicídio como motivo para abortar.

                

Dublin, 30 abr (EFE).- O governo irlandês aprovou nesta terça-feira um projeto de lei de aborto que visa autorizar a interrupção da gradivez quando a vida da mãe esteja em perigo, o que inclui também a ameaça de suicídio.
Após semanas de intensas negociações, o Executivo de coalizão entre o conservador partido Fine Gael e os trabalhistas chegou hoje a um acordo com respeito à minuta desta controversa lei, que deverá agora passar pelo filtro de um comitê parlamentar antes de ser votada na Câmara Baixa irlandesa.
Entre as questões mais complicadas que as seções de ambos os partidos enfrentam se destaca a inclusão da ameaça de suicídio como motivo para que os médicos pratiquem um aborto, após constatar que a vida da mãe corre perigo.
Na atualidade, o aborto é ilegal na Irlanda, menos quando a vida da mãe está em risco (com relação à saúde), mas isso é sujeito à interpretação dos médicos, que normalmente tendem a negar a prática de interrupções de gravidezes por medo das consequências legais ou por convicções religiosas.
A nova lei, que deveria entrar em vigor antes do verão, será mais clara e substituirá a legislação atual, que permite interrupções da gravidez em circunstâncias muito limitadas seguindo diretrizes muito vagas recolhidas na Constituição irlandesa.
Para poder incluir a ameaça de suicídio, o democrata-cristão Fine Gael do primeiro-ministro Enda Kenny chegou a propor o estabelecimento de um painel médico composto por até seis especialistas que avalaria a veracidade da situação da mãe.
Um significativo número de deputados conservadores necessitava de tais garantias porque, em sua opinião, a questão do suicídio poderia abrir a porta ao que denominam de 'abortos em função do sexo', enquanto os trabalhistas viam esse painel médico como um instrumento quase 'inquisitorial'.
No final, o Governo optou por um comitê de três especialistas para avaliar o estado físico e mental da mãe, que poderá depois apelar da decisão perante outra instância médica composta por outros três especialistas.
Ainda se desconhecese se estas provisões serão suficientes para o setor mais tradicional do Fine Gael.
Perante a possibilidade de que surja um motim, Kenny já advertiu que todos seus deputados deverão se submeter à disciplina do partido quando o projeto de lei for votado na Câmara Baixa irlandesa, o Dail.
No programa para as eleições que levaram Kenny ao poder em fevereiro de 2011, reiterou que não legislaria para modificar a atual legislação, uma promessa descumprida que poderia ter consequências nas urnas para algum de seus correligionários em próximos pleito.
No entanto, tudo mudou neste país por causa da morte em outubro de uma mulher indiana em um hospital onde os médicos se negaram a interromper sua gravidez.
Savita Halappanar, de 31 anos e grávida de 17 semanas, faleceu de septicemia depois que os médicos se negassem a praticar um aborto, após alegar que a lei os impedia enquanto pulsasse o coração do feto, apesar da saúde da mulher se deteriorar.
A comoção causada por este caso obrigou o Executivo a legislar, apesar de que duas sentenças judiciais já tinham pressionado a anteriores Governos para que atuassem, apesar de nenhum quis tocar um assunto tão delicado em um país muito católico.
O projeto de lei tratará de acabar com o vazio legal criado desde que a Corte Suprema de Dublin ampliasse em 1992 as situações nas quais se pode interromper uma gravidez se a vida da mãe corre perigo para incluir, entre outras, a ameaça de suicídio.
Há dois anos, a Grande Sala do Tribunal Europeu de Direitos Humanos pediu à Irlanda que legislasse, após condenar suas autoridades a indenizar, com 15 mil euros, uma mulher que sofria de câncer e que não conseguiu permissão para fazer um aborto, apesar de sua vida correr perigo.
COMENTÁRIO:
E POR CAUSA DE UMA "SUPOSTA AMEAÇA DE SUICÍDIO" ELES AUTORIZAM A COMETER HOMICÍDIO? AGORA VAI FICAR FÁCIL, BASTA DIZER QUE QUER SE MATAR E TÁ LIBERADO PARA ABORTAR.
JÁ, JÁ ESSA MODA VAI CHEGAR AQUI NO BRASIL, PODEM ESCREVER O QUE EU ESTOU DIZENDO. 
O MUNDO JAZ NO MALÍGNO MESMO!!!

http://noticias.br.msn.com/mundo/governo-irland%C3%AAs-aceita-amea%C3%A7a-de-suic%C3%ADdio-como-motivo-para-abortar

Um comentário:

Caminho da Vida disse...

Eu acompanho seu blog, e acho muito importante esse trabalho,

A BESTA DO APOCALIPSE

todos esperavam que João Paulo segundo voltasse mas quem veio foi frâncisco.

Entenda porque João Paulo II não veio

veja a parte 2 deste vídeo

http://caminhodavida1564.blogspot.com.br/2013/04/besta-do-apocalipse.html